Quem somos?

O Banco de Injustiças é uma iniciativa conjunta da Comissão Brasileira sobre Drogas e Democracia (CBDD) e da Associação Nacional dos Defensores Públicos (ANADEP) e tem por objetivo promover o debate jurídico sobre a ausência de princípios básicos constitucionais na Lei de Drogas, como o direito à saúde, as limitações do poder punitivo do Estado e, sobretudo, o caráter democrático do Estado de Direito.

O Banco de Injustiças, criado com o apoio do Viva Rio e sob coordenação geral de Pedro Abramovay, ex-Secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça e atual professor de Direito da Fundação Getúlio Vargas, recolherá as injustiças reportadas pelos Defensores Públicos de todo o país.

Associação Nacional dos Defensores Públicos

A Associação Nacional de Defensores Públicos (ANADEP) é uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos ou políticos, que congrega Defensores Públicos de todo o país com o objetivo de promover suas prerrogativas, direitos e interesses, pugnando pela independência e prestígio da Defensoria Pública.

Comissão Brasileira sobre Drogas e Democracia

A Comissão Brasileira sobre Drogas e Democracia (CBDD) é formada por 26 personalidades de diversos setores da sociedade e tem como propósito refletir sobre a atual política de drogas no país. Entre seus membros, estão Paulo Gadelha, presidente da Fiocruz, Ellen Gracie, ex-ministra do Supremo Tribunal Federal, Dráuzio Varella, médico e pesquisador, Rubem César Fernandes, diretor-executivo da ONG Viva Rio, entre outros. Em 18 meses de trabalho, a Comissão ouviu especialistas de diversas áreas relacionadas ao tema das drogas e elaborou a Declaração Hora de Debater e Inovar, em que pede por novas políticas e práticas que sejam mais humanas e mais eficazes no enfrentamento do problema das drogas.