Usuário é condenado por drogas de terceiros

A prisão de Rogério se deu durante uma incursão policial em uma comunidade no momento em que ele foi comprar a droga, apareceu a viatura e o rendeu junto com mais um menino que era menor.  Quando foi preso, trabalhava em uma fábrica, seu dinheiro era unicamente para manter o vício.

O verdadeiro traficante pulou o muro e fugiu com mais um rapaz que deixou cair a carteira com documentos. Os policiais tentaram alcançá-los e sem êxito disseram: “Ou me falam onde os que fugiram moram ou vocês assumirão as drogas”.

No boletim de ocorrência os policiais contaram que revistaram Rogério e que encontraram dinheiro e 55 cápsulas de cocaína. No BO, foi informado que o menor carregava 11 trouxinhas de maconha. E o rapaz que fugiu levava50 pedrasde crack.

Rogério contava com várias testemunhas, mas no momento da audiência ninguém apareceu. Sem que a família soubesse, o advogado contratado, Dr. Nazareno José dos Santos, abandonou o caso um mês antes da audiência. A família chegou inclusive a pagar R$800,00 para o advogado.

No momento da audiência havia um defensor público nomeado pela juíza. O defensor não estava sabendo do caso e não chamou as testemunhas principais. Ficou dito apenas o que os policiais alegaram. Está preso desde então.

A falta de critérios claros na lei para separar traficantes de usuários faz com que os depoimentos dos policiais que fizeram a prisão se transforme praticamente em sentença.

Como muitos outros, Rogério foi condenado injustamente.

 

Caso publicado pelo defensor Dr. Nazareno José dos Santos

 

Detalhes do Caso

Publicado em Casos em destaque, Defensores públicos, Defensores públicos, Os casos.